Cálculo de espessura de lentes com centro zero

Cálculo (teórico) de espessura de lentes c centro zero

regra:

  1. A curva base de uma lente esférica é sua curva mínima;
  2. A curva base de uma lente cilíndrica é sua curva cilíndrica (ou tórica);
  3. As curvas convexas são representadas por um sinal de mais (+);
  4. Uma curva côncava é representada por um sinal de menos (-);
  5. A curva de potência côncava (negativa) de uma lente esférica negativa é numericamente mais proeminente do que a de uma lente convexa;
  6. A curva de dioptria convexa (positiva) de uma lente esférica positiva é numericamente mais proeminente do que a de uma lente côncava;
  7. A designação de dioptria esférica é calculada pela diferença algébrica das curvas côncava e convexa;
  8. em Ef. O sinal do poder refrativo dominante é o da curva maior;
  9. As curvas tóricas, se aplicadas a uma superfície convexa, terão sinal positivo para o valor cilíndrico;
  10. Curvas tóricas, se aplicadas a uma superfície côncava, o valor cilíndrico terá sinal negativo;
  11. A diferença entre as duas curvas da tórica (a curva base e a curva de interseção) indicará o valor do cilindro adicionado à curva base;
  12. O valor esp. de uma lente esf./ Cil. Será calculado entre a curva base tórica e a curva esférica oposta;

Exemplos de curvaturas de lentes oftálmicas:

Obviamente, para um cálculo exato da curva, teremos que usar as fórmulas apropriadas que estão explícitas em outras partes deste trabalho, a saber:

D1 = curvatura convexa verdadeira

D2 = curvatura côncava verdadeira

Dv = força de dioptria

t = espessura central

n = índice de refração

Leia esse artigo e veja como Curva base lente, cálculo com precisão

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Estamos Online