Cristalino ou lente do olho: Qual a função e principais doenças

O cristalino, também conhecido como lente ocular, é uma estrutura transparente e biconvexa do olho que fica atrás da íris.

Em relação à sua estrutura, podemos dizer que 90% da massa seca total do cristalino consiste em três classes de proteínas estruturais e cristalinas. São eles: alfa, beta e gama.

Outros ingredientes que podem ser encontrados nas lentes são açúcares, lipídios e água. Além de vários antioxidantes e moléculas de baixo peso.

A função da lente é focar a luz na retina para criar imagens nítidas de objetos distantes.

Quando a lente muda com o envelhecimento, a transparência diminuirá gradualmente, a dispersão e a aberração da onda de luz aumentarão e a qualidade óptica do olho também diminuirá.

Como resultado, a lente do olho é frequentemente afetada por condições como catarata, fazendo com que a lente fique turva ou turva. Outros distúrbios comumente vistos no cristalino são presbiopia, ectopia lentis, afacia e esclerose nuclear.

O que é o cristalino ou lente do olho?

Diretamente, a lente é responsável por ver a imagem em foco. Na anatomia do olho, a lente está localizada atrás da pupila e é alojada pelo ligamento suspensor da lente.

O cristalino do olho é composto de células anormalmente alongadas que não têm suprimento sanguíneo e obtêm seus nutrientes do fluido circundante, principalmente do humor aquoso que banha a frente do cristalino.

Os resíduos também são removidos através desses líquidos.

A lente é o segundo meio refrativo após a córnea devido à sua posição, forma e propriedades refrativas de aproximadamente 20 dioptrias no ambiente natural humano.

A lente do olho pode mudar de forma com a ajuda do músculo ciliar. Desta forma, a distância focal da retina é alterada e a imagem é colocada em foco nítido na retina. Este ajuste da lente é chamado de ajuste.

Qual é a função do cristalino em nossos olhos?

Os primeiros estudantes da anatomia ocular, viam a lente como o local de visualização significativa. Agora sabemos que esta é a função da retina, e que o cristalino atua como um canal para transmitir luz e foco para a retina.

Para colocar mais claramente, a lente do olho age como uma lente de câmera, dobrando e focalizando a luz para produzir imagens nítidas.

A lente é uma lente convexa que produz uma imagem invertida focada na retina. Desta forma, o cérebro inverte a imagem de volta ao normal para criar o que você vê ao seu redor.

Em um processo chamado acomodação, a elasticidade da lente permite focar em imagens distantes e próximas com o mínimo de distração possível.

Estima-se que aproximadamente 80% da refração ocorra na córnea, e os 20% restantes ocorram na lente interna.

Quando nossos olhos focam em algo próximo, nosso corpo ciliar se contrai, o que afrouxa as zônulas da lente que o mantêm no lugar.

Isso torna a lente mais espessa. Quando o olho focaliza uma imagem distante, o corpo ciliar relaxa, as zônulas da lente se contraem e a espessura diminui, trazendo a imagem distante para o foco.

Em termos de sua função bioquímica, a lente tem o maior teor de proteína de qualquer outro tecido do corpo.

Entre eles, até 90% das proteínas solúveis em água nas lentes de vertebrados e invertebrados contêm cristais.

Os cristais têm sido considerados proteínas estruturais, mas até agora também eram conhecidos por proteger as células da apoptose induzida pelo estresse, regular o crescimento celular e aumentar a estabilidade do genoma.

Parece uma mecânica interessante, não é? É claro que manter a estrutura dessas funções é igualmente importante.

Qual é a estrutura das lentes dos olhos?

Como todos sabemos, a lente é a camada biconvexa transparente do olho, composta principalmente de proteínas. Até 60% da massa da lente é composta de proteína.

A lente do olho é composta de colágeno e proteínas e não tem conexões diretas de sangue ou nervos. Em vez disso, depende do humor aquoso para fornecer energia e eliminar o desperdício.

O humor aquoso, por sua vez, é o fluido claro que fica entre o cristalino e a córnea e consiste em água e sais dissolvidos.

Sua estrutura é composta por quatro partes:

  • Cápsula: revestimento acelular, uniforme, transparente e mais espesso da superfície anterior do cristalino;
  • Epitélio: Formado por uma única camada de epitélio cúbico, encontrado apenas na parte frontal do cristalino. Portanto, as fibras responsáveis ​​pelo aumento progressivo do cristalino durante o crescimento do olho são provenientes desse segmento;
  • Córtex: a parte do cristalino do olho que circunda o núcleo central;
  • Núcleo: A massa interna que forma a lente do olho.

Dentro do olho também há tecido formado pelo músculo ciliar chamado corpo ciliar. O corpo ciliar produz o humor aquoso e dobra o cristalino para refratar a luz. A lente é mantida no lugar por fibras zonulares ou fibras zônulas que passam através do corpo ciliar.

Agora que você sabe o que é a lente do olho e qual é sua estrutura, podemos dar um passo adiante. Um dos problemas que cercam a lente do olho é que as doenças que afetam a lente se desenvolvem com a idade.

Quais doenças que afetam o cristalino?

Alterações como o envelhecimento da lente podem levar à perda progressiva de transparência, presbiopia e aumento da dispersão e aberrações das ondas de luz, além de reduzir a qualidade óptica do olho.

As principais mudanças que ocorrem à medida que as lentes envelhecem são:

Difusão reduzida de água de fora para dentro da lente e do córtex para a área nuclear;
Alterações na cristalização devido ao acúmulo de agregados de alto peso molecular e proteínas insolúveis;
Produção de produtos finais de glicação avançada (AGEs), acúmulo de lipídios, diminuição do conteúdo de glutationa e destruição de ácido ascórbico.
Portanto, o envelhecimento afeta a acomodação da lente. Ou seja, afeta a capacidade da lente do olho de se ajustar de um foco distante para um foco próximo.

Essa capacidade diminui gradualmente com a idade, levando a uma condição chamada presbiopia.

A presbiopia dificulta a visão de objetos de perto. Portanto, muitas vezes precisa ser corrigido. A correção geralmente é feita com óculos multifocais ou mesmo lentes de contato multifocais.

A presbiopia também pode se sentir cansada, e algumas pessoas com presbiopia podem ter visão flutuante enquanto seus olhos trabalham para compensar o déficit de visão.

Uma turvação ou turvação do cristalino, chamada catarata, também pode ocorrer com a idade.

As cataratas que interferem na visão podem ser corrigidas com cirurgia, durante a qual o cristalino turvo é removido e substituído por uma lente intraocular.

No entanto, embora essas condições estejam associadas ao envelhecimento, também existem algumas doenças do cristalino que não estão necessariamente relacionadas à idade.

Outras doenças relacionadas ao cristalino dos olhos

As principais doenças relacionadas ao cristalino, mas não diretamente relacionadas à idade são: miopia, astigmatismo, glaucoma, estrabismo e hipermetropia.

Miopia

A miopia é caracterizada por uma visão de longe deficiente, que é causada por um defeito na convergência da luz. Isso faz com que imagens de objetos distantes se formem na frente da retina, e não na própria retina.

Por esse motivo, pessoas com miopia veem objetos distantes embaçados, enquanto objetos próximos parecem normais.

Astigmatismo

O astigmatismo é considerado um erro de refração que torna difícil para o olho focar a luz uniformemente na retina. Dessa forma, o astigmatismo faz com que os pacientes vejam distorções ou borrões a qualquer distância.

Glaucoma

Glaucoma é um termo genérico para um grupo de diferentes doenças oculares que causam danos ao nervo óptico e perda de visão.Existem diferentes tipos de glaucoma.

O tipo de glaucoma visto com mais frequência é o de ângulo aberto, e os com menos frequência são os de ângulo fechado e o glaucoma de pressão normal.

O glaucoma de ângulo aberto desenvolve-se lentamente e é principalmente assintomático.

Porém, com o passar do tempo, a visão periférica do paciente fica prejudicada, o que pode levar a um estreitamento progressivo do campo de visão, que evolui para visão tubular ou central. Portanto, a cegueira pode resultar se não for tratada.

O segundo tipo de glaucoma, geralmente ocorrerem de forma crônica ou aguda. As condições agudas podem incluir dor ocular intensa, dor de cabeça, visão turva, halo, náusea e vômito. Uma vez que ocorre, a perda de visão por glaucoma é irreversível.

O tipo de glaucoma visto com mais frequência é o de ângulo aberto, e os menos comuns são o glaucoma de ângulo fechado e o glaucoma de pressão normal.

Estrabismo

No estrabismo, os olhos não estão alinhados corretamente quando o paciente está concentrado em um objeto. Assim, os olhos que focam no objeto podem se alternar. Esta condição pode ocorrer permanentemente ou ocasionalmente.

Quando esta condição ocorre na infância, pode causar ambliopia ou perda de percepção de profundidade. Já, quando começa na idade adulta, é mais provável que cause diplopia.

Hipermetropia

Também conhecida como hipermetropia, a hipermetropia é uma condição na qual a luz é focada na parte de trás da retina e não na própria retina.

Isso faz com que os pacientes vejam objetos próximos embaçados, enquanto objetos distantes podem ser vistos normalmente.

À medida que a condição piora, as pessoas podem ver objetos embaçados, independentemente da distância.

Em outras palavras, podemos dizer que um dos principais fatores que contribuem para a manifestação da doença do cristalino são os problemas de refração.

Veja como os problemas de refração afetam o cristalino!

Como os problemas de refração afetam o cristalino?

A luz no olho é refratada quando passa pelo globo ocular para formar uma imagem nítida na retina. Quando ocorre um erro de refração, é porque o feixe foi desviado.

Nesta condição, o olho não pode focar a imagem na retina. Por esse motivo, muitos pacientes apresentam desfoque ao tentar enxergar.

Durante a refração, a luz é desviada para fora ou para dentro da retina. A hipermetropia ocorre quando a lente do olho faz com que o foco ocorra atrás da retina. A miopia ocorre quando o foco ocorre na frente da retina. Em ambos os casos, o uso de óculos ou lentes de contato pode corrigir esses problemas de visão.

Qual é a influência do envelhecimento no cristalino dos olhos?

À medida que envelhecemos, muitos processos bioquímicos no cristalino mudam, resultando em alterações nas proteínas, vitaminas, glutationa, enzimas e equilíbrio hídrico.

Portanto, observou-se que uma diminuição na atividade e/ou quantidade de antioxidantes, principalmente no núcleo do cristalino, está associada ao envelhecimento.

Portanto, quando ocorre essa redução, as proteínas dessa região ficam mais suscetíveis ao dano oxidativo.

O aumento do tamanho das lentes dos olhos

Além disso, o tamanho da lente do olho aumenta ano a ano. Não apenas o tamanho e o peso das lentes mudam com a idade. É importante saber que também perde transparência após os 30 anos.

Ou seja, sua função pode ser afetada pelo envelhecimento, assim como outros órgãos e tecidos.

A perda gradual da transparência do cristalino

Desde cedo, duas características importantes das lentes mudaram. A perda gradual de transparência é acompanhada por uma diminuição na amplitude de acomodação.

Durante a evolução contínua de mudanças estruturais e funcionais, inúmeras mudanças bioquímicas e celulares levam a ambos os fenômenos.

Essa evolução pode ser geneticamente modificada e amplificada por fatores de risco ambientais, como temperatura, consumo de tabaco e álcool, e doenças sistêmicas, como diabetes.

A perda de transparência da lente, cujo mecanismo subjacente é um aumento na dispersão da luz, é um fenômeno permanente ao longo dos anos.

Esses casos resultam em catarata senil, a causa mais comum de perda de visão em todo o mundo. Além de ser a principal causa de incapacidade em idosos.

A hidratação do cristalino

Outra mudança que ocorre com a idade é a diminuição da hidratação do cristalino. Uma pesquisa de Moffat em 1999 mostrou que em lentes envelhecidas, a quantidade de água que entra no núcleo através do epitélio e do córtex diminui.

Em particular, parece que a redução no transporte de água pode ser devido à própria membrana e à alta concentração de proteínas intracelulares.

Quaisquer alterações nos mecanismos de transporte de nutrientes, metabólitos, antioxidantes e moléculas ativas podem levar a alterações no estado redox (espécies ativas no núcleo e baixas taxas de glutationa).

Ambas as condições ocorrem com a idade e são capazes de destruir a cristalina.

Esses resultados são consistentes com outros estudos que mostram taxas de transporte reduzidas de GSH do córtex para o núcleo. Eles propõem que níveis mais baixos de GSH podem favorecer o aparecimento da presbiopia.

Qual a relação entre o cristalino e a presbiopia?

A pesquisa conduzida por Pierscionek também mostrou que com a idade, o teor de água em todas as camadas da lente diminui significativamente. A redução da água leva à agregação e empacotamento de proteínas.

A taxa de água no cristalino é inversamente proporcional à pressão, de modo que a presbiopia e as deformidades relacionadas à idade podem ter um efeito sinérgico.

Entre os fatores que afetam a lente do olho ao longo do tempo, a presbiopia é o que faz com que o olho perca parte de sua capacidade de focalizar objetos próximos. Isso ocorre porque a lente começa a perder sua elasticidade com a idade.

Também conhecida como “síndrome do braço curto” porque as pessoas tendem a manter o material de leitura longe do corpo para facilitar a leitura, a presbiopia é uma das razões pelas quais a maioria das pessoas precisa de óculos após os 40 anos.

Outra condição que começa a afetar as pessoas depois de uma certa idade é a catarata.

Qual a relação entre a catarata e o cristalino?

A catarata é uma turvação ou turvação da lente do olho que afeta a visão. Os dados mais recentes da Organização Mundial da Saúde em 2010 estimavam que 17,6 milhões de pessoas ficaram cegas por causa da catarata. Destes, a doença é responsável por aproximadamente 51% da cegueira global.

De acordo com o Framingham Demographic Study, 53% das pessoas de 65 a 74 anos sofrem de opacidade do cristalino, o que aumenta para 80% quando se considera pessoas de 75 a 85 anos.

Atualmente, é impossível prevenir a catarata com 100% de sucesso. Portanto, a cirurgia de catarata é realizada na maioria dos casos por incisão corneana e facoemulsificação com inserção de implantes intraoculares e é o procedimento cirúrgico mais realizado no mundo. Além disso, é o único tratamento para catarata e correção óptica.

Tipos de catarata

A catarata pode se desenvolver de maneiras diferentes em lugares diferentes. Assim, apesar de apresentarem sintomas semelhantes, existem 6 tipos diferentes de catarata.

Cataratas nucleares: as cataratas nucleares se desenvolvem na área central da lente com a idade;

Catarata cortical: comum em pacientes diabéticos, a catarata cortical é caracterizada pela opacidade do córtex do cristalino;

Catarata subcapsular posterior: Considerada a causa mais comum de perda de visão em pessoas com mais de 40 anos, a catarata subcapsular posterior é uma turvação do cristalino do olho;

Catarata congênita: Como se desenvolve durante a gravidez, as cataratas congênitas são alterações no cristalino que estão presentes quando o bebê nasce;

Cataratas traumáticas: relacionadas a traumas oculares, as cataratas traumáticas são causadas por acidentes;

Cataratas de radiação: Como o nome sugere, as cataratas de radiação são causadas pela superexposição à radiação ultravioleta (UV), como do sol, solários ou camas de bronzeamento.

Mas, afinal, qual é a relação entre a catarata e o cristalino?

A principal causa da catarata é o envelhecimento, que é o que causa alterações no cristalino do olho. Essas mudanças fazem com que a lente se torne inflexível. Só que engrossa e perde sua cor clara.

Embora as estratégias eficazes para prevenir as crises de catarata sejam atualmente desconhecidas, em alguns casos antioxidantes orais, como cafeína, ácido pirúvico, galato de epigalocatequina (EGCG), ácido alfa-lipóico e ácido ascórbico, têm um bom efeito …

Além disso, a superexpressão da metionina sulfóxido redutase A (MSRA) protege as células do cristalino na presença e ausência de danos induzidos pelo estresse oxidativo. No entanto, resultados promissores foram obtidos reduzindo o dano oxidativo induzido por UV.

Uma coisa é certa: todos os problemas que envolvem a catarata estão relacionados à saúde da lente. Por isso é importante fazer exames regulares.

Como verificar a saúde do cristalino?

A lente do seu olho deve ser examinada pelo seu médico durante um exame oftalmológico. Um exame oftalmológico abrangente inclui vários testes diferentes que analisam a saúde geral de seus olhos.

Aqui estão alguns testes que seu médico pode realizar durante um exame oftalmológico:

Teste do músculo ocular: para verificar o movimento dos olhos, movimento e tecido muscular;

Teste de visão: usado para medir a clareza da sua visão e quão bem seus olhos percebem formas e contornos, e é um dos testes mais rápidos para detectar problemas de visão;

Avaliação da refração: usada para examinar como a luz é desviada ao passar pela córnea e pelo cristalino;

Teste de campo visual: para medir seu campo de visão geral, quanta visão você tem em cada olho e quanto você perdeu ao longo do tempo;

Testes de visão de cores: usados ​​para verificar o daltonismo ou visualização insuficiente de determinadas cores;

exame de lâmpada de fenda: usado para permitir que seu médico verifique a saúde de sua retina e o suprimento de sangue para seu olho;

Tonômetro: usado para medir a pressão no olho. Se o estresse for muito alto, medidas médicas de emergência serão tomadas.

Agora você já sabe o que é, para que serve e quais são as principais doenças que afetam a lente. Como podemos aprender mais sobre as outras partes de nossos olhos?

Os melhores grupos de whatsapp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.