Lensometria: como usar um lensômetro?

A Lensometria é uma verificação da dioptria dos óculos ou lentes de contato. Óculos de grau e lentes de contato são produzidos de forma personalizada para os pacientes.

Entre os muitos parâmetros exclusivos está a dioptria da lente ou dioptria induzida pelo material e sua espessura. Para garantir o grau correto ou para medir a refração de uma pessoa através dos óculos, utilizamos um aparelho chamado Lensômetro e um procedimento específico de Lensometria.

Mas como ela funciona?

Primeiro, precisamos preparar as lentes corretivas do paciente/cliente e, se possível, sua prescrição para uma segunda comparação para evitar problemas como lentes arranhadas ou equipamentos desalinhados.

Para medições de lentes, a dioptria de retorno de uma lente é medida medindo a distância que os raios paralelos de luz entram no ponto focal. Isso determinará o poder das lentes dos óculos.

complicado? Não há necessidade! As medições de lentes para óculos monofocais podem ser feitas em 30 segundos se usarmos o equipamento certo.

É aí que entra o refratômetro de lentes, dispositivo que mede a dioptria das lentes de forma precisa e essencial para optometristas e laboratórios ópticos.

Lensômetro A-70

A definição e uso deste dispositivo é chamado:

  • Lensômetro
  • Vertômetro
  • Frontofocômetro (em Portugal)
  • Focímetro e
  • Lentômetro (é o nome que realmente deveria ter em português)
lensometro
  1. Espelhos ajustáveis ​​individualmente
    Uma peça que fica ao lado do olho do usuário para ajustar o aparelho para todos. Quando a mira é precisa e perfeitamente clara, o cilindro de dioptria deve indicar a posição 0,00 (plana). Junto com a mira, a mira deve parecer perfeitamente afiada. Continue a ajustar a ocular até obter uma nitidez precisa ao mesmo tempo. Se isso não for possível, a linha do indicador (próximo ao barril de dioptria) precisa ser ajustada pelo deslocamento preciso do parafuso de ajuste.
  2. Retículas, Centros Ópticos Indicadores, Eixos e Prismas (Vista Externa)
    Visto de dentro do aparelho. Vários círculos concêntricos pretos numeram os prismas de Δ 0,50, depois Δ1,00 (e de 1,00) a Δ5,00. Esses círculos devem aparecer nítidos em 0,00 (plano) ou simples junto com a mira, se aplicável. Também é utilizado para posicionar prismas com bases diagonais, tendo o retículo como indicador da posição da base do prisma.
  3. Marcas e níveis ópticos de centro para montadores
    Existem três pinos, depois de umedecidos no tinteiro, que marcam o eixo da lente desmontada, desmontada ou uma linha de montagem horizontal quando a lente está pronta para ser retificada ou montada na armação. O pino do meio marca o centro óptico para verificação de DP, e os três lados marcam o eixo ou linha horizontal para indicar o montador.
  4. Instale prismas adicionais
    Para marcar o centro óptico na prescrição combinado com o prisma, é utilizado um prisma adicional, trazendo a mira para o centro do retículo para marcar o centro óptico. Esses prismas adicionais são fornecidos com o fotômetro.
  5. clipes para prender a lente ao cone
    Ele repousa a lente contra um cone de nylon, prendendo-o com quatro pinos de plástico.
  6. Mesa para apoio de óculos montados
    A mesa possui diferentes posições na direção vertical para suportar os dois quadros do quadro com precisão e igualdade, para que a medição do eixo seja precisa.
  7. cone de suporte da lente
    Deve sempre ser mantida em uma posição que não altere a potência da lente. Existe uma configuração que faz com que uma lente padrão (+13,00 e –13,00) indique que está na posição correta. se você tiver leituras esf. +13,25 e Ef. –12,75, estará mais próximo do visualizador e deve ser ajustado até equilibrar a dioptria.
  8. frasco de tinta
    Rolo cilíndrico, instalado no tinteiro. Este rolo é revestido com papel especial que mergulha na tinta enquanto gira. Ele molhou três alfinetes para marcação. Tinta especial deve ser usada. Em cada marca, gire o rolo para molhar adequadamente os três pinos.
  9. Tambor ou barril graduado em dioptria
    Uma roda de alumínio, todas com linhas pontilhadas para indicar dioptria positiva e negativa, o ponto neutro está no centro e o plano é 0,00. Até 3,00 graus, 0,12 a 0,12 divisões, 0,25 a 0,25 acima de 3,00. A escala de dioptria mais alta é de 0,50 a 0,50.
  10. Transferidor Indicador de Eixo (Fig. 02)
    Semelhante a um transferidor, as marcações vão do 1º ao 1º. Essas marcas variam de 0º a 180º. As linhas de visão (dentro do dispositivo) devem ser precisas e perfeitamente retas até que indiquem a posição correta do eixo. (Este ajuste requer grande precisão).
  11. Indicador de brilho duplo e luzes internas
    Deve atender exatamente às especificações do fabricante. Deve ser fosco e posicionado corretamente.
  12. suporte de lâmpada
    Possui suporte removível que pode ser instalado no lugar da luz do retículo para melhor recolocação.
  13. Retículo (visão interna)
    vide item 2.
  14. visão / mira
    Uma cruz francesa com linhas triplas que, quando aparecem ao mesmo tempo nítidas, indicam a dioptria medida de uma lente esférica. Sua cor geralmente é verde.

O Lentômetro é um dispositivo do sistema central que mede a distância focal, significativamente reduzida e convertida em dioptrias por um sistema de lentes ópticas, marcadas no tambor (roda em dioptrias).
Quando a lente medida é esférica, os retículos são perfeitamente claros ao mesmo tempo que todas as linhas verticais, indicando que a dioptria da lente, seja positiva ou negativa, é lida no cilindro externo.

Nas lentes plano-cilíndricas ou esféricas-cilíndricas, as linhas de visão são separadas e um meridiano de cada vez aparece nítido. É necessário girar o transferidor da lente medidora até que a linha fique perfeitamente reta, que será a posição correta do eixo (muito preciso).

Em um bom medidor de lente, até 3,00 dioptrias. O fator é de 0,12 a 0,12, ou seja: 0,12-0,25-0,37-0,50-0,62-0,75-0,87-1,00-1,12 etc. Números marcados em negrito são comuns em receitas, outros números são usados ​​para maior precisão. Acima disso, aparecem em um fator de 0,25 a 0,25. Em um medidor de lente de baixa qualidade, todos os fatores são 0,25 de 0,25 e 0,50 de 0,50, e não há fator de 0,12.

O Lentômetro faz as seguintes medidas:

  • Poder de refração esférica, em dioptrias.
  • Poder de refração esférica/cilíndrica, dioptria.
  • Valor do prisma, em dioptrias prismáticas.
  • Eixo cilíndrico, em graus.
  • Base do prisma, composta por círculos concêntricos e posição em graus.
  • Centro óptico, através do centro do retículo.
  • A linha horizontal para montagem da lente é marcada por três pinos de marcação.
  • Equilíbrio prismático entre DO. e EO., meça com o quadro na parte inferior da mesa (OD. centrado, prismas verticais são avaliados em EO.)
  • Verifica a distorção da imagem (oscilação) causada por defeitos na superfície da lente.

Regulagens e ajustes do aparelho

  • Ajustado para melhor mira e precisão do retículo
  • Verificação e Verificação de Centralização e Correção de Erros de Posicionamento de Mira
  • Calibração e calibração de erro de posicionamento do retículo
  • Verificação, Verificação e Correção de Erros de Posicionamento do Pino Marcador para Centros Ópticos e Eixo
  • Ajustes da ocular do medidor de luz para todos os profissionais
  • Correspondência de afiação de mira de zero dioptria
  • Medição de potência esférica de miras lineares e miras circulares
  • o que é um centro óptico
  • Marcando o centro óptico em uma lente esférica
  • Marcação de linha horizontal de componentes e centros ópticos
  • Medição de dioptria cilíndrica
  • Um único prisma marca e incorpora uma superfície esférica cilíndrica.
  • Leia, instale marcadores de linha horizontal em monofocais, bifocais e progressivos.
  • Detecção de Prismas através da Descentralização do Centro Óptico – Efeito Prisma
  • A importância do equilíbrio prismático, entre OD. e OE.

Teoria dos valores dióptricos meridionais

O leitor deve saber o valor da dioptria do meridiano principal da lente, caso contrário será mais difícil de ler. O mesmo que o meridiano tomado pela esfera, o intervalo entre os dois meridianos é o valor do cilindro. Se eles não souberem, comece ensinando primeiro e depois comece a aprender as partes do dispositivo.

Exemplo: esf. +1,00

À esquerda, vemos o valor do meridiano principal para a lente esf. +1,00 e para a direita porque os retículos do medidor da lente são igualmente nítidos no meridiano principal

Nota As lentes esféricas têm o mesmo poder de refração para todos os meridianos. As lentes Plus aumentam o tamanho dos objetos vistos através delas, e o centro é mais grosso que as bordas.

Eles são especificados por um sinal positivo. Sua superfície é esférica, semelhante à superfície de uma bola de bilhar. Sua superfície convexa (indicada por um sinal +) tem uma dioptria maior que sua superfície côncava (sinal -).

O movimento do objeto observado através dele é o oposto do movimento da lente.

Foi observado no medidor de lente que movendo a lente, a mira se move na mesma direção que a lente se move, ou seja, a favor.

Exemplo: esf. –2,00

Notas: As lentes esféricas negativas também têm o mesmo valor de dioptria em todos os seus meridianos. Ele reduz o tamanho dos objetos vistos através dele, e o centro é mais fino que as bordas. É denotado pelo sinal (-), e é mais côncavo que convexo, de modo que as bordas são mais grossas que o centro. A olho nu, movendo a lente, o movimento do objeto observado através dela é na mesma direção do movimento realizado. Foi observado no medidor de lente que a mira se move na direção oposta à lente.

Lente plano cilíndrica

As lentes plano-cilíndricas têm um meridiano principal “plano”, que é 0,00 Diop. O outro oposto, como mostrado no exemplo abaixo, é uma classificação de +2,00 dioptrias. tornar-se ph. 0,00 cilindro. +2,00. Só aumenta o tamanho do objeto na direção oposta ao seu eixo, positivo, negativo diminui o tamanho do objeto.

A direção em que a aresta é mais espessa é seu eixo positivo, e a direção em que a aresta é mais fina é seu eixo negativo. Esta lente tem dois meridianos principais, que são usados ​​para medir sua potência.

Lente plano cilíndrica

No gráfico à esquerda, vemos que o meridiano horizontal (o mais agudo) representa o valor esf. ou seja: 0,00, a vertical parece menos nítida.

No gráfico à direita, o meridiano vertical mais acentuado representa -3,00. Neste caso, a lente será lida como esf. 0,00 cilindro. -3,00 x 180º.

Observe que a dioptria de ambas as lentes é oposta ao seu eixo. Este é sempre o caso no plano cilíndrico.

Essas duas lentes plano-cilíndricas podem ter dois nomes: um é cilindro positivo e o outro é cilindro. negativo.

O da esquerda pode ser: esf. 0,00 + cilindro. 2,00 eixo a 90º ou Esf.+2,00 cil.–2,00 eixo a 180º

Ambos os nomes têm o mesmo valor de refração.

Os alunos podem começar a ler dioptria de qualquer um dos principais meridianos. Na foto da esquerda, o valor de cyl se inicia no meridiano de 0,00. Será positivo porque não importa quem comece do plano e vá positivo, o sinal seguirá uma direção positiva. Neste caso, a lente será designada esf. 0,00 cilindro. +2,00 eixo a 180º. Se a leitura começar a partir do meridiano +2,00, é o símbolo de um cilindro. será negativo e o valor de cyl. Será sempre o intervalo de dioptrias entre os dois meridianos. Na segunda opção, esf. seria +2,00 e cil. seria –2,00 eixo 90º.

Observe que o eixo estará sempre na direção do meridiano que é considerado esférico.

A lente correta (acima) pode ser: esf. 0,00 cilindro. –3,00 eixo a 180º ou esf. –3,00 cilindro. +3,00 eixo a 90º. O da esquerda lerá esf.+2,00 cil. -2,00 x 90º ou esf. 0,00 cilindro. +2,00 x 180º. Ambos os nomes têm o mesmo valor de refração.

No lenometer você poderá verificar a mesma conclusão. De preferência, é utilizada a forma de um cilindro. Negativo, pois é mais prescrito por optometristas e oftalmologistas.

Então aprendemos que todo plano cilíndrico ou lente cilíndrica esférica tem dois nomes: um com cil. Negativo, outro com cil. positivo. Ambos têm o mesmo valor de refração.

Demos exemplos de eixos 180º (ou 0º, o mesmo) e 90º, mas obviamente o eixo pode ser posicionado em qualquer lugar de 5º 10º 100º 175º etc.

Lente Esférico Cilíndrica

Nota: Esta lente possui graduações em ambos os meridianos principais. Eles podem ser positivos ou negativos em cada meridiano principal.

Exemplos

O esquerdo pode ser especificado como esf. +2,00 cilindro. –1,00 eixo a 90º ou Esf. +1,00 cilindro. +1,00 eixo a 180º.

O lado direito pode ser especificado com esf. -1,00 cil.-1,00 eixo a 90º ou esf. -2,00 cil.+1,00 eixo a 180º.

Se você selecionar (imagem à esquerda) 90º Meridiano (para esf.), o eixo será 90º e a leitura será: Esf. +2.00 Cilindro. -1,00 90°

Se você escolher esf. Meridian +1.00, (ou seja, 180º) o eixo do cilindro. será de 180º.

Consultar exemplo:

esf. +1,00 cilindro. +1,00 Eixo 180º.

A lente à direita (acima) pode ser designada como esf. –1,00 cilindro. –1,00 eixo a 90º ou esf. –2,00 cilindros. +1,00 180º.

Lembre-se: Meridianos selecionados para esf. O eixo do cilindro será determinado.

Os leitores devem memorizar linhas algébricas absolutas, números relativos, para entender a escala de dioptria de cilindros planos ou lentes esf. /cilindro. O valor de dioptria do cilindro. é o intervalo entre os dois meridianos principais, observer outro exemplo:

O leitor deve se acostumar com números relativos em vez de raciocinar com adição ou subtração aritmética comum.

O valor do cilindro é sempre a separação de dioptrias entre dois meridianos primos. No exemplo de linha algébrica acima, esf. seria +2,00 e cyl. -5,00, o intervalo de dioptria entre os dois meridianos.

Na demonstração acima, para linhas absolutas, vimos que o que se chama de cilindro nada mais é do que a separação de dioptrias entre um meridiano e outro. Vemos que se tomarmos +2,00 para esf., a direção para localizar o outro meridiano é negativa, daí o sinal de cil. será “negativo” e o valor de cil. será -5,00. Se o meridiano –3,00 for considerado esf., então o cil. será +5,00.

No exemplo acima, de um barril de lente graduada, vemos que esf. será +2,00 e cil. aparecerá nítido em –3,00 porque a separação entre um meridiano e o outro é de 5,00 dioptrias. E a direção do gap é negativa, então o valor de cyl. seria –5,00 e esf. Será a primeira leitura.

Medidas de esf., cil. e eixo em lentes montadas em óculos prontos

Primeiro, ajuste a ocular para que a lente da lente e a linha do retículo apareçam em 0,00 ao mesmo tempo;

Em seguida, apoie as duas bordas dos copos igualmente sobre a mesa;

O objetivo é centralizar a mira no centro da mira levantando ou abaixando a mesa e movendo o quadro para a direita ou esquerda até que estejam no centro da mira, mesmo que ainda não esteja completamente claro;

Em seguida, procure a retidão da mira francesa da mira:

Veja como as linhas dos retículos na imagem acima estão quebradas, indicando que o ajuste do eixo precisa ser corrigido, gire o transferidor até que as linhas fiquem perfeitamente retas. Isso requer alta precisão, especialmente quando a cilíndrico é baixo. Isto dá o eixo do cilindro. Aparece no disco Transferidor.

Em seguida, procure a nitidez do meridiano que se tornará o esf. Observe o seu valor.

Sem mover o disco do carretel (transferidor), procure o valor claro de outro meridiano para deixar o retículo claro;

Então, conhecendo esses dois valores, temos esf. e cil., girar o retículo de modo que os eixos do retículo fiquem alinhados nos dois meridianos e dentro da mesma linha de visão;

Em seguida, encontre a posição de centralização final dos dois meridianos, mova a mesa com precisão e da direita para a esquerda até totalmente centralizada;

Uma vez obtida a centralização total, marca-se o centro óptico, que indicará a medição DNP ou DP.

Medida dos Prismas

Para medição de prismas, os círculos concêntricos do retículo são a referência para o prisma de medição. O centro da mira deve coincidir com o círculo do retículo correspondente ao prisma.

PRISMAS

As lentes prismáticas movem os objetos lateralmente, ao contrário das lentes esféricas e cilíndricas que movem objetos concentricamente no meridiano vertical, horizontal ou em todos e quaisquer meridianos.

No retículo (dentro da lente), existem vários círculos concêntricos numerados de 1 a 5. Cada um representa um valor prismático, partindo de Δ 0,50 – Δ 1,00 – Δ 2,00 – Δ 3,00 – Δ 4,00 e Δ 5,00, como podemos ver na imagem acima.

Na imagem acima, vemos a luneta do medidor de lentes, indicando um prisma Δ 3,00, e a base é mostrada no lado direito da imagem. Se RX for esf. EO – 3,00 cilindros. –1,00 eixo 0º, combinado com prisma Δ3,00 base de tempo, em EO a mira apareceria assim, movendo-se para o lado temporal dos óculos. No entanto, ele será dividido em esf. e cilindro. Exiba uma direção clara de cada vez e use o indicador de eixo cilíndrico. Indique o eixo correspondente.

Regulagem inicial do aparelho

  1. Coloque um pedaço de papel branco entre o tubo telescópico do sistema central e o suporte da lente e ajuste a ocular até que o retículo esteja completamente limpo e coincida com 0,00 da dioptria.
  2. Ligue a luz do dispositivo. Para lentes escuras, ajuste para uma intensidade de luz mais alta, para lentes claras ou de cores claras, ajuste para uma intensidade de luz mais baixa.
  3. Quando o retículo é preciso e completamente afiado, o retículo verde deve ser completamente afiado e a escala de dioptria deve apontar exatamente para a posição “zero”, ou seja, “plana”. Começa em –1,00 a zero. Não comece com graus positivos por causa de problemas de ajuste, isso impedirá um ajuste preciso.

Se não for zero, ajuste a seção com a linha indicadora de grau (ao lado do cilindro graduado até que esteja completamente “plano”

Centralização do retículo

4. Gire o osciloscópio do dispositivo totalmente (através de um transferidor em graus) 360º, verificando a precisão do alinhamento da linha central do osciloscópio com a linha do retículo nos quatro quadrantes. O alinhamento deve ser completo e completo, ou seja, a linha central do retículo deve coincidir exatamente com a linha central do retículo em todas as direções. Se não estiver centralizado, deve ser ajustado através dos quatro parafusos no corpo do anel.

5. Se a centralização for imprecisa, verifique a origem da falta de centralização (há duas possibilidades):

  • Se a mira for girada em torno de um ponto no centro do retículo, o motivo é que o retículo não está centralizado. A retícula é mantida no lugar por quatro parafusos de centralização localizados no corpo do telescópio. Use a chave tipo “Allen” (bem pequena) para centralizar o retículo ajustando, tomando o cuidado de soltar levemente o parafuso oposto ao tubo de liberação para não danificar o corpo da peça.

Centralização da mira

  • Se o retículo girar excentricamente em torno do centro do retículo, apresentando dispersão nos quatro quadrantes, isso caracterizará a falta de centralização do retículo. A luneta verde é mantida no lugar por quatro pequenos parafusos allen, cuja centralização deve ser tão cuidadosa quanto os parafusos para não danificar o corpo da parte metálica que segura a luneta. Ajuste (muito fino) até que a excentricidade desapareça e coincida com o centro da mira.

Observações: Esses ajustes exigem experiência e conhecimento em ajustes mecânicos e não devem ser realizados por alguém sem habilidades mecânicas.

Centralização do pino marcador do centro óptico

Para verificar a precisão da localização do pino do marcador central óptico, execute os seguintes testes:

  • Anexado – lente esférica de 0,25 Diop. No grampo, apoie-se no cone de suporte. Centralize a mira com a mira até encontrar o centro óptico exato. Marque o centro óptico do primeiro quadrante da lente com um ponto. Gire a lente para o segundo quadrante e marque o novo centro óptico. Faça o mesmo para os quatro quadrantes e verifique se os centros ópticos dos quatro marcadores coincidem. Se houver uma diferença de 1 mm. Eles serão tolerados, pois significa diferenças de operador. Se a distância entre os centros das quatro marcas for superior a 2 mm. Facilita a centralização dos pinos de marcação do centro óptico por ajuste mecânico.
  • Se a diferença for no sentido vertical, ajuste o parafuso de fixação do suporte do pino, tomando o cuidado de balancear para fixar o ajuste.
  • Se a diferença for nivelada, solte os três parafusos da haste com os três pinos e ajuste até que as novas marcações dos quatro quadrantes indiquem que está correto. Faça este ajuste com cuidado para que o nivelamento dos três pinos não seja perdido.

Cuidados

  • Mantenha as partes mecânicas móveis do equipamento lubrificadas, geralmente com vaselina.
  • Limpe a ponta do pino do marcador central óptico diariamente.
  • Substitua o papel enrolado no rolo de tinta, se necessário.
  • Mantenha o nível de tinta no cartucho de forma que atinja os roletes.
  • Não use ferramentas inadequadas para ajuste.
  • Mantenha o dispositivo à prova de poeira quando não estiver em uso.
  • Periodicamente, limpe levemente o número do tambor de dioptria e o eixo com um pano embebido em álcool para mantê-lo limpo.

Passo a Passo de Lensometria

Orientação para operar o Lensômetro:

Coloque o papel branco entre o cone adaptador da lente e o setor de clipe no medidor da lente e continue a ajustar a ocular para que o retículo e a mira fiquem claros. É assim que o instrumento é ajustado de acordo com sua visão.

Para verificar se há lentes desmontadas:

Faça o mesmo para a mira com o transferidor do eixo cilíndrico na posição 0°/180°.

Esférica: Segure a lente no cone de suporte e ative a alavanca de fixação; ative a dioptria até que a linha de visão dentro do instrumento esteja completamente livre. Mova a câmera verticalmente e horizontalmente até que a mira esteja exatamente no centro da mira.

Este é o ponto central óptico. Ative o mecanismo do pino do marcador central óptico para marcar apenas um ponto no centro da lente. Em seguida, anote o valor de dioptria encontrado.

Cilindro: Segurando a lente com os dedos da mão esquerda, ative o tambor de dioptria até que uma imagem menos nítida apareça. Mova a lente verticalmente e horizontalmente até que as três linhas mais finas (esferas) no retículo estejam claras.

Observe as linhas com cuidado para que não sejam quebradas ou levemente quebradas. Observe a fonte de alimentação encontrada. Faça o ciclo dos roletes novamente até que as três linhas mais espaçadas (cilíndrica) estejam completamente limpas. Sem perder a forma perfeitamente reta, mova a lente vertical e horizontalmente para que a mira fique exatamente no centro da mira.

Se a diferença entre esférico e cilíndrico está na direção da dioptria negativa, é cil. A leitura será negativa, se estiver na direção da dioptria positiva, será um cilindro. A leitura será positiva. Escolha qual dos dois. Em seguida, ative a marcação do eixo e marque os três pinos que serão o eixo da lente.

Marque a linha horizontal instalada:

Esférica: Siga as instruções exatamente sem a lente acoplada.

Cilíndrico: Observe o eixo indicado em RX. Opere a mira e o transferidor de mira simultaneamente até que ambos estejam precisos e alinhados com o eixo da receita. No caso de cilindro. Se o RX for negativo (a grande maioria das receitas é), você começará a sair do esf. para o cilindro. quer no sentido negativo.

Procure a nitidez do esf. e cilindro. Centralizado em ambas as direções. A precisão da anotação é fundamental, não faça medições descuidadas e marcação posterior de linhas de montagem horizontais.

Em seguida, marque a linha de montagem horizontal acionando os três pinos de marcação horizontal e marcando na lente. Se for OD, anote na lente com tinta Nanjing ou um marcador. ou OE.

Bifocal: Meça o campo de distância como mostrado acima enquanto marca a linha de montagem horizontal. Em seguida, faça o mesmo para o local adjacente, no centro do filme, este último não precisa ser marcado. Verifique se estão de acordo com a receita.

Neste último caso, a posição do centro óptico é o resultado, dependendo da escolha do tipo bifocal, dependendo da dioptria, seja a base do prisma superior, inferior ou central. A montadora será orientada pelo centro geométrico do filme. Verifique também se é OD ou OE.

Observe que essas membranas são direcionadas para o lado nasal. Em um topo reto, a linha de montagem horizontal deve estar alinhada com o topo do filme.

Progressiva: O mesmo processo das bifocais, mas é necessário colocar a lente exatamente no centro do círculo maior (topo) marcado com tinta no campo distante da lente antes de colocá-las no medidor de lente. Se o marcador estiver fora deste círculo, é cil.

Os indesejados interferirão na leitura correta da dioptria e serão diferentes da receita. Nota aqui: este é um ponto crítico progressivo devido à região de aberração cil. Alcançar a cena a longas distâncias depende da marca e qualidade da multifocal progressiva. Você pode ficar desapontado com esses fatos, mas as lentes progressivas não têm a precisão dióptrica que você imagina. O que devo fazer? Todo mundo tem esses problemas.

A linha horizontal do marcador de notas deve ser paralela e alinhada com a linha imaginária que passa pelos dois pequenos círculos horizontais horizontais da progressão. A dioptria de campo próximo é ainda mais difícil de medir devido à largura mais estreita do corredor de campo próximo. Pode ser medido colocando o círculo precisamente no cone de suporte, mas a adição é melhor verificada por uma marca indelével no lado temporal da lente.

Verifique a dioptria, eixo, DP, DNP dos vidros acabados: Primeiro, apoie os vidros exatamente em ambas as bordas na mesa do instrumento. Sempre comece com OD. Coloque a lente sobre o cone, acione a dioptria, quando a lente for um cilindro.

Pressione simultaneamente o transferidor até que a linha de visão esteja perfeitamente reta e nítida. Em seguida, mova a mira para que ela coincida com o eixo para o qual o transferidor está apontando. Em seguida, facilite o centro da mira no retículo para que você possa verificar a dioptria. Marque um ponto com um pino marcador, que será a referência para medição de PD ou DNP.

Para bifocais altamente positivos, meça a adição, não da maneira usual. Após verificar a distância da forma usual, vire o encaixe da lente de cabeça para baixo em relação ao RX, colocando o lado convexo do suporte no cone do aparelho.

Meça graus à distância (vai variar) e depois de perto. A soma será a diferença entre as distâncias modificadas. Saber que é certo e fazê-lo, embora poucas pessoas saibam o motivo disso.

Última nota: Ao mover a lente para o cone adaptador da lente, certifique-se de que não está danificado para não riscar a lente. É melhor afrouxar a pressão do grampo. Para verificar PD ao marcar o centro óptico, tome cuidado para que o cilindro do pino guia não toque na lente. O pino apenas toca a lente sob a ação de sua mola sensível.